segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Eu, Pedrão e o "lava-pés".



Tentei me colocar no lugar de Pedro, (o Pedrão da turma de Jesus), quando o Mestre fez que ia lavar seus pés. Imagine: o Criador do Universo ali, na minha frente, de cabeça baixa, com a bacia e a toalha. Incompreensível. A humildade de Jesus não tem comparação.
Assim como Jesus surpreendeu Pedro, as vezes me sinto surpreendido por Jesus. Aprendi a duras penas que, caso decidisse ser um seguidor radical de Cristo, passaria por experiências estranhas. Afinal, "quem conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro?" (Rm11:34).Como Pedro, também estranharia. E caso Jesus insistisse, acho que também diria a mesma coisa: "Me lave então os pés e a cabeça". Bobagem.
Como Pedro, também confesso ter dificuldade de entender a limpeza espiritual. Num linguajar mais teológico, a tal da "santificação". Se Deus diz que perdoa, quem sou eu para duvidar? Sou humano, pecador e um tanto lento em aceitar perdão. Parece que temos que dar a Deus alguma compensação pelo presente da graça. Se é graça é de graça!
Como Pedro, acho que sou um tanto mandão, gosto de ficar no comando e Deus agindo em meu favor numa total inversão de posição: eu como senhor e Ele como Servo. Absurdo.
A lição do lava-pés está se tornando cada vez mais clara para mim. Posso até estranhar o que Jesus está fazendo em minha vida, mas preciso reconhecer minha necessidade de me submeter aos seus cuidados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Onde encontrar paz num mundo em convulsão?

     Silvio Brito na década de 70  cantava uma canção que se tornou hit rapidamente. Cada estrofe começava com  “ – pare o mundo que eu ...