quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Maldição de nordestino!?

     
O paulista (mais precisamente, o paulistano) já protagonizou episódios de preconceito explícito contra nordestinos, assunto que voltou à tona após a reeleição da presidente Dilma. Seria a seca do sudeste, um efeito retaliador da natureza, tipo, aqui se faz, aqui se paga?

     Sou paulistano "da gema", nascido na capital, mais precisamente na Avenida Nove de Julho. Criei-me nas movimentadas ruas do centro da capital paulista, meu principal passeio semanal. O que nunca compreendi muito bem é esse preconceito ridículo contra nordestinos.


     Sempre achei estranho a generalização e o preconceito em São Paulo mais estranho ainda. Não importa o Estado de origem, para o paulista, todo nordestino é "baiano" e termos pejorativos como "baianada", são usados quando alguma coisa sai errada. Uma tremenda injustiça em relação a um povo trabalhador que ajudou a construir, não apenas o Metrô ou arranha céus, mas toda uma cultura da maior cidade do país.


     Lembro-me quando a prefeita Luiza Erundina, de Uiraúna - PB,  típica representante nordestina, elegeu-se para o cargo máximo da maior cidade da America Latina. O ego do paulistano foi atingido. Houveram várias manifestações com bombas e pichações. Não haviam ainda redes sociais, o que minimizou os efeitos da reação, mas no subconsciente coletivo do paulistano, isto nunca foi muito bem digerido.


     Hoje, a situação, no sentido climático, está inversa. Ironia do destino. Será que nossos filhos (ou netos) precisarão subir num "pau de arara" e migrar para a terra de Luiz Gonzaga, numa versão pós moderna de "Asa Branca"?


     Pois é. Cuspir pra cima é perigoso. Principalmente tendo como base o mapa do Brasil. 


     Esta falta de água em São Paulo, pode ser bem vinda, assim como, digamos: "um banho" de humildade.

     Óxente.




Seca do Sudeste

     Reflexões sobre as implicações naturais, sociais e espirituais de uma das principais catástrofes ambientais dos últimos tempos.                                                                                                         


              Estamos vivendo situação inusitada. Além da ausência de condensação e precipitação de água sobre nossa região, tenho uma forte suspeita de haver outra causa mais grave.

        Dança da chuva.
Cresci assistindo filmes e desenhos relacionados ao faroeste americano e achava engraçada a tal “dança da chuva”. Não vejo graça nisso, mas não ignoro  haver uma causa além das apontadas pelos ambientalistas. Estariam os índios com razão? Forças sobrenaturais estariam por trás da ausência ou excesso de chuva?
Segundo os estudiosos da Bíblia, o planeta Terra, em seu estado original, não necessitava de chuva. Um orvalho constante o envolvia e a atmosfera estava em perfeitas condições, gerando um clima agradável (perto dos 23 graus) na porção seca do planeta que  concentrava-se num único continente. Este estado de perfeito equilíbrio, sofreu com “a queda” (*) culminando no “dilúvio” (**) : ação divina que inaugurou o período de chuvas, tempestades e tormentas ambientais. Deus prometeu não mais destruir sua criação com dilúvios, mas a ação do homem tem sido predadora e destrutiva.

              Florestas podem viram deserto.
              Como consequência do pecado, o homem passou a ter mais trabalho para extrair o seu alimento e garantir sua sobrevivência (Gn 3:19).  A agricultura foi sendo desenvolvida e o homem foi adaptando-se às estações do ano,  alterações ambientais e  catástrofes climáticas. Hoje, onde vemos um deserto inabitável, foi antigamente uma floresta rica em flora e fauna. Onde vemos bosques verdejantes e transbordantes de água, poderão tornar-se lugares áridos e sem vida.
                O sudeste do Brasil tem sido um dos melhores locais da América Latina para se viver. Clima ameno, terra boa, muita água e prosperidade econômica. Mas a ação do homem está transformando este paraíso tropical num deserto inabitável. Isso pode parecer exagerado, mas se as estimativas pluviométricas se confirmarem, teremos que arranjar outro lugar para morar.

            De quem é a culpa?
           A Bíblia ensina que Deus é Soberano sobre sua criação.  “Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam” (Sl 24:1). Também ensina que o ser humano é seu mordomo, responsável por cuidar deste planeta a fim de garantir a preservação de sua e das demais espécies (Salmo 115:16). Ao longo da história bíblica, Deus usou as secas para chamar pessoas ao arrependimento. Um dos momentos mais dramáticos foi durante o período em que Elias profetizou. Deus usou seu profeta para chamar a nação israelita ao arrependimento, e para isso, utilizou a seca:  “Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz.  Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio. Orou outra vez, e o céu enviou chuva, e a terra produziu os seus frutos” (S. Tiago 5:16 à 18). Veja a relação entre confissão de pecado e chuva! É algo para se pensar.
               
        Seca do sudeste.
Desde criança ouço falar da “seca do nordeste”. Hoje meus filhos já estão vendo o início da “seca do sudeste”. O que meus netos presenciarão? Quanto tempo ainda teremos até as regiões do país estarem totalmente sem água?
A região sudeste do Brasil (e estados adjacentes) são prósperos, mas esta prosperidade não tem sido tributada à Deus.  Há muita religiosidade, mas igualmente materialismo, egoísmo,  idolatria e pratica de toda sorte de pecado nojento e degradante. Nossas leis não estão sendo feitas sob o temor à Deus. Nossas crianças não estão sendo tratadas como Jesus nos ordenou. A violência contra a mulher nunca teve índices tão altos, Os casamentos estão se dissolvendo a uma porcentagem de 70%. O tráfico e consumo de drogas cresce assustadoramente. A impunidade é alarmante. Igualmente todo tipo de perversão sexual é praticada sem o menor pudor. A pornografia zomba da família, da moral e de Deus. Será que estamos tão cegos que não conseguimos enxergar o apelo de Deus ao arrependimento?

                Faça a sua parte.
        Se você considera-se cristão, entende o que estou dizendo. Faça sua parte. Arrependa-se de todo pecado conhecido. Abandone-o definitivamente. Clame à Deus por perdão e purificação.  Se teremos chuva ou não, não depende de nossa esperteza, tecnologia ambiental, conhecimento de física, química ou estatística. Depende de Deus. Somente dele. Então, vamos dobrar nossos joelhos humildemente e orar como nunca, pela nossa vida e pela vida de nossos semelhantes, antes que seja tarde.
                “Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra” (2a Cr. 7:14).
                Se queremos chuva, precisamos parar de apontar culpados, olharmos para nosso umbigo e clamar à Deus, “pois Ele realiza maravilhas insondáveis, milagres que não se pode contar.  Derrama chuva sobre a terra, e envia água sobre os campos” (Jó 5:9,10).

Se este artigo significou alguma coisa para você, escreva-me: sergiomarcosmevec@gmail.com
(*) Queda: expressão teológica relativa ao pecado cometido por Adão e Eva, os primeiros habitantes do planeta, que ao desobedecerem ao Criador, perderam seu estado original, sofrendo a maldição de seu pecado levando a Terra a sofrer com seu ato de rebelião.
(**) Dilúvio: juízo divino para destruição da humanidade que inundou o planeta, poupando apenas Noé, sua família e as espécies animais em pares, como um “restart” no planeta Terra

Onde encontrar paz num mundo em convulsão?

     Silvio Brito na década de 70  cantava uma canção que se tornou hit rapidamente. Cada estrofe começava com  “ – pare o mundo que eu ...