quarta-feira, 27 de abril de 2011

O ESPETÁCULO (NÃO) DEVE CONTINUAR.

A casa de Deus tem se tornado,  "casa de shows". Onde antigamente (não gosto dessa palavra) o povo se reunia para orar, louvar à Deus, manter comunhão e ouvir Sua Palavra, hoje assiste uma demonstração musical. Em certas ocasiões, uma bela coreografia, uma peça teatral, um belo monólogo ou uma performance qualquer onde o espetáculo é a tônica, o centro de tudo. 
Ah! Sim! Uma palestra bem elaborada por  um "pastor bacana", que fala muito bem, arranca risos da platéia e no final a faz chorar. Lindo. Se não fosse um pequeno detalhe: o  lugar que foi dado a Jesus. Se Jesus não for a motivação para tudo, o centro de tudo, o objetivo final de tudo e não receber no final toda a glória, de modo exclusivo, transformamos a igreja numa casa de espetáculos.
Ora, será que isso é lá tão importante? Numa igreja onde tudo é bem feito, e as pessoas parecem felizes, aplaudem com entusiasmo e voltam pra casa com "alto astral"... não tá bom?
Lugar onde o pastor ora e todos se arrepiam, saltitam, e no final se abraçam, numa demonstração hormonal de "amor cristão"?
Num lugar onde muitos afirmam terem sido curados, mudados para melhor, chegando a testemunhar que vieram a prosperar depois que passaram a frequentar os trabalhos?
Pois é. Mas só existe um modo de um povo  chamado de "igreja", denominar-se Igreja de Jesus:  é a presença dEle. Sem Jesus não há igreja. Pode haver pastores, presbíteros, diáconos, ministros de louvor, uma boa banda, muita organização e excelência nos serviços de berçário, cozinha e cantina. Sem Jesus não há igreja (Mateus 18:20).
A mudança ocorrida nos últimos anos, de um culto centrado em Cristo para o tipo "espetáculo", me dá a estranha sensação que estamos como os israelitas no deserto, cansados de esperar nosso Moisés (hoje, a volta de Cristo) nos contentando com o "bezerro de ouro" que estamos construindo com nossas próprias mãos, achando que está tudo bem (?).
Meu Deus! Será que é isso mesmo? Se nossos ditos "cultos" nada mais são que fabricação nossa, então "glórias à baal"!
Mais do que nunca, acredito que o espetáculo não pode continuar.E você? 
Credo. Socorro Jesus!

terça-feira, 26 de abril de 2011

DECEPÇÃO: não aguento mais.

     Nem eu. Aliás, quanto mais o tempo passa, mais figurinhas juntamos no álbum da desilusão. Mas um dia a gente aprende. Um dia a gente vai conseguir conviver com isso. Numa boa. Aliás, ninguém é perfeito. Nem eu , nem você.
     Por falar nisso, será que nunca decepcionamos alguém? Tenho a estranha sensação que sim. Bom, mas... deixa pra lá. O negócio é tocar o barco.
     Não, espera aí. Se eu decepcionei alguém preciso olhar pro meu umbigo. Preciso tomar mais cuidado. Afinal, é dando que se recebe. Se plantei a semente,  terei que colher. Acho que preciso rever  meus relacionamentos e pensar mais nos outros,  tratá-los com mais respeito e educação. Afinal, isso pode  diminuir a colheita maldita da decepção. Espero.
        Mas que eu não aguento mais, não aguento mesmo.
     Mas será que estão me aguentando?? Tenho um mau pressentimento a este respeito. Talvez eu seja protagonista de muitas decepções sem saber. Mas deviam me avisar.
     Bom deixa pra lá. Vou fazer a minha parte e deixar o resto com Deus. Ah! Sim! Deus. Que bom poder contar com um interlocutor, um mediador. A fé é para essas horas.
     Decepção? Não vou me tornar uma ostra, nem um avestruz. Vou continuar arriscando, me relacionando, amando para ser amado, desenvolvendo amizades, confiando. Na Bíblia está escrito: "o amor lança fora todo medo". Creio que o Livro tem razão.
    Acho que vou prosseguir atropelando as decepções. Vai dar certo.

terça-feira, 19 de abril de 2011

NEGLIGÊNCIA - sua salvação está em risco.

A falta de atenção é uma das principais causas de acidente nas estradas.  Em um teste ou entrevista, leva para o ralo um bom emprego. No vestibular, destrói o sonho de ser um universitário. Suas causas: desinteresse,  negligência  ou excesso de preocupações.
A negligência é um pecado que põe em risco a perfeita salvação que nos é oferecida por Jesus.
   A carta aos Hebreus , destinada primeiramente a cristãos messiânicos, e finalmente a nós,  nos adverte em 2:1 à 3: nossa salvação está em risco.

1)    Corremos o risco da desatenção.
2)    Corremos o risco de nos desviarmos do caminho.
3)    Corremos o risco de desprezar a mensagem pregada ao longo de séculos.
4)    Corremos o risco de voltar a sermos desobedientes a Deus.
O que tem levado muitos a se tornarem negligentes?
a)    Orgulho religioso (apego a ministérios, cargos, posições e tradição)
b)    Vaidade pessoal (belaza física, saúde, títulos acadêmicos, conquistas  materiais)
c)    Pecado sexual (fornicação, luxúria, traição, adultério, etc.)
d)    Excesso de preocupação (trabalho demais, estudo demais, vida social intensa, etc).

"...como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação?"
“Que é que nos leva a pensar que podemos escapar, se formos indiferentes a essa grande salvação anunciada pelo próprio Senhor Jesus, e que nos foi transmitida por aqueles que O ouviram falar?” (Hb 2:3 – VIVA)
Sintomas de quem está sendo negligente:
Falta de apetite espiritual ( desinteresse na oração, leitura bíblica e freqüência aos cultos).Excesso de preocupação, ansiedade, agitação.
Retorno a práticas mundanas que viveu no passado sem Cristo.
Pense nisso. Você não acessou este blog por acaso.  Deus ainda acredita em você.
Ore agora mesmo, considere o que leu e renove seus votos de fidelidade e amor para com Jesus. Faça isso AGORA.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

DEMAS. Quem é ele?

Um ex-seguidor de Cristo (Fm 1:23,24), cujo testemunho bíblico afirma ter “amado o presente século” (2ª  Tm 4:9,10). Não exatamente se “desviado”, perdido a fé, caído em pecado grosseiro ou promovido algum ato de rebeldia ou escândalo. Nada disso.  Abandonou Paulo, o apóstolo, por haver amado o “aion”, o tempo presente, os ares que as pessoas daquele tempo gostavam de inalar.

Dizem que o interesse de Demas pela obra de Deus e os valores de seu Reino, diminuiu acentuadamente. Não conseguia mais acompanhar o “pique” do apóstolo. Demas perdeu a adrenalina, a vibração pelas coisas que faziam Paulo vibrar. Num linguajar de periferia, Demas não tinha mais “sangue no olho” pelas coisas de Deus.

Esta falta de vibração está se espalhando atualmente entre os seguidores de Jesus. Gente que afirma ser cristã,  ligada a uma denominação evangélica, mas com uma vida opaca e um desempenho pífio, atuando num ministério qualquer, pensando mais em “fazer alguma coisa” para Deus do que ser um instrumento poderoso em suas mãos. Sua paixão por Jesus não existe mais.

Paulo representa a vida de “entrega”, “crucificada”.  É um símbolo vivo do compromisso com Deus e a obra. Paulo “se deixou gastar” pelas pessoas, sentia “dores de parto” por elas e tinha orgulho de dizer que “trazia no corpo as marcas do Senhor Jesus”. Demas, por certo tempo, achou tudo isso “o máximo”, até que passou a questionar a intensidade com que Paulo vivia. Valeria à pena? Não seria exagero? Foi assim que Demas desertou: diminuindo o ritmo, ponderando, colocando “o pé no chão”. Demas deixou de amar a obra de Deus, e passou a amar a si mesmo. Amando a si mesmo, apaixonou-se pelo estilo de vida da sociedade em que estava inserido, seus valores e ideais. Não era frio, nem quente. Tornou-se morno, “centrado”, “no muro”, tentando ser amigo do mundo e amigo de Deus, ao mesmo tempo (Tg 4:4).

Demas. Quem é ele? Onde estaria nos dias de hoje? Professor da escola dominical? Ministro de  louvor? Um diácono? Presbítero? No ministério pastoral?

Demas. Muito mais que um personagem obscuro do Novo Testamento. Um espectro sombrio que insiste em enfraquecer o testemunho de Cristo na terra.

Se perdi a paixão pelo evangelho, se o ardor por Cristo se enfraqueceu, se hoje já não me emociono ao ler a Bíblia, se o ato de congregar com irmãos se tornou rotineiro para mim e a oração uma tarefa a ser cumprida, eu sei quem é Demas e onde ele está. E você? 

sexta-feira, 1 de abril de 2011

PRECISAMOS REDESCOBRIR O EVANGELHO.


Aquilo que era claro, direto e objetivo, está hoje coberto por camadas e camadas e ideologias, "achismos", auto-ajuda, misticismo, etc.
     O humanismo secular cobriu a mensagem cristã de um verniz espesso e pegajoso. O som da trombeta é incerto. O clamor dos arautos é vacilante. O relativismo, característico da pós modernidade, penetrou redutos  da igreja, outrora ortodoxos, com a fúria de um tsunami, e hoje não sabemos mais o que significa  conversão, regeneração, santificação, vida eterna, etc.
     As igrejas ditas evangélicas se multiplicam como nunca, sem que se saiba, ao certo, o significado da palavra "discipulado". O cultos são centrado no ser humano (ou seria melhor dizer, no "ego" ? ) e não em Deus. O objetivo de se reunir como igreja é "sentir-sebem" e não adorar a Deus. Confunde-se adoração com música ou canto. Pastores já não ouvem mais a Deus, para falar em nome dele. Pregam o que o povo quer ouvir. Estão ensopados de psicologia e sensivelmente influenciados pelos autores de auto-ajuda.  Não ministram as necessidades espirituais, mas as emocionais. O que importa é crescer (em número, é claro), ganhar adeptos, levantar dízimos e prosperar.
     Urge que venhamos a redescobrir o evangelho puro e simples.
     Você e eu, de acordo com o evangelho, só podemos nos aproximar de Deus pelo sangue de Cristo. Não há em nós absolutamente nada que nos torne merecedores de qualquer favor de Deus. Só por meio de um arrependimento profundo, uma fé viva e verdadeira na obra redentora de Cristo,  um compromisso com o discipulado, santificação crescente e contínua, apego a Palavra e vida de submissão no Corpo de Cristo, a Igreja - com "I" maiúsculo, teremos esperança de "escapar da ira vindoura", das coisas que "em breve devem acontecer", do juízo que "começa pela casa de Deus".
     É preciso coragem para admitir que a igreja evangélica atual vive uma fantasia religiosa e não a mensagem da cruz. Como arqueólogos, precisamos redescobrir, sob as camadas de argila da história, a fé apostólica, não dos apóstolos atuais, mas dos únicos e verdadeiros apóstolos do Cordeiro. Precisamos renunciar as famosas "Bíblias de Estudo" para, de fato, estudarmos a Bíblia, debruçados, em oração, sobre o texto sagrado. Vamos redescobrir o evangelho.
     " Por isso devemos prestar mais atenção nas verdades que temos ouvido, para não nos desviarmos delas.  Não há dúvida de que a mensagem que foi dada por meio dos anjos é verdadeira; e aqueles que não a seguiram nem foram obedientes a ela receberam o castigo que mereciam.  Sendo assim, como é que nós escaparemos do castigo se desprezarmos uma salvação tão grande?" (Hebreus 2:1 à 3 - NTLH)

Como viver em paz em um mundo em convulsão?

Silvio Brito na década de 70 cantava uma canção que se tornou hit rapidamente. Cada estrofe começava com “ – pare o mundo que eu quero...