Pular para o conteúdo principal

Cristo sim, igreja não. Como assim?

    
Cresce em todo mundo a ideia de um cristianismo descompromissado, despojado... do lar.
     Na Europa isso já acontece a bastante tempo. Nos Estados Unidos o movimento é crescente e no Brasil vai ganhando corpo à uns cinco anos mais ou menos.
     O que há de bom?
     Há um lado positivo neste "movimento": um cristianismo "desinstitucionalizado", ou seja, sem os vícios e a politicagem das instituições. O "ser cristão em casa" parece  interessante, pois a proposta é que se viva (seja),  pratique, acima de tudo, o Evangelho. Não há interesse em "exibir" a fé numa reunião dominical, mas em vivenciá-la no cotidiano. É o cristianismo sem hora marcada, sem rotina de cultos e reuniões, sem a roupa de domingo, sem os trejeitos típicos do mundo gospel como dizer: "a paz do Senhor", "amém", etc. 
     Nem tudo que reluz é ouro.
     Por outro lado é um cristianismo liquefeito, sem normatização, onde todo mundo fala, sente, crê, interpreta e ministra. Há líderes? Sem dúvida. Mas o despojamento da estrutura mínima citada nas Escrituras como pastores, presbíteros, diáconos, evangelistas, mestres e profetas, vulnerabiliza o movimento e o coloca numa condição de extrema penúria teológica. A igreja, como instituição, existe pela graça do Senhor e tem como finalidade concatenar o grupo, organizar os dons e talentos, receber a visão de Deus e transmiti-la aos demais membros, levando-os à maturidade e a consequente frutificação.
      Lições da história.
     A história da igreja é tida pelos estudiosos como a "história das heresias", onde movimentos semelhantes aos "sem igreja" surgiam, em nome da liberdade institucional, liturgia mais leve e que lamentavelmente descambou  para o campo das aberrações teológicas.
     Qual o melhor caminho?
     Penso que nem lá nem cá. A igreja institucional precisa rever a rigidez desnecessária, excesso de atividades e o autoritarismo de seus líderes.  
     O movimento dos "sem igreja", por sua vez, precisa considerar esta "liberdade institucional" que nem sempre possui motivações santas.
      Assim como a Igreja se sobrecarregou com doutrinas de homens, os movimentos "sem igreja" simplificaram demais as coisas e a falta de normatização pode levar tais movimentos ao fracasso total. 
     Os pretensos "donos" das grandes ou pequenas denominações precisam se lembrar que a igreja não é uma marca, um logo, uma empresa. Jesus disse "eu edificarei a minha igreja"
     Da mesma forma, os "sem igreja" precisam se lembrar das mesmas palavras do Mestre e saber que Jesus ia a Sinagoga regularmente, Paulo a frequentou sistematicamente e a priorizou em seu projeto de evangelização. Ir a igreja é parte da agenda de Deus assim como "ser igreja" é obra do Espírito Santo na vida do convertido à Cristo.
     Nem lá nem cá. O equilíbrio é, foi e sempre será a proposta do Senhor. 
     Inspirado por Deus, Paulo nos deixou a estrutura eclesiástica ideal para que um grupo de pessoas possa considerar-se Igreja, conforme o Novo Testamento: " E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres,  com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado,  até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo" (Ef 4:11 à 13).
     Que seja esse nosso alvo. Que o Senhor da Igreja, restaure para esses dias uma igreja vibrante, Bíblica, completa, atuante e bem organizada.  
     Ir a igreja não faz de ninguém um cristão, mas cristãos costumam ir a igreja.
   
    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe: como definir?

Tentei definir de diversas maneiras e achei tarefa por demais pesada para mim. Sei que cada filho sabe muito bem do que se trata. Mas como definir? É algo tão sublime! Quase celestial.    
   Quando se pensa na palavra "mãe", nossos sentimentos afloram. Mãe não se define. Se sente. E como se sente...
   Mãe nos faz lembrar de necessidades supridas, socorro presente, colo quente, afago bem feito, sono gostoso, e por aí vai.
   Para quem já é adulto, o termo se amplia. Se reveste de cores, formas, aromas. Mãe é alguém de quem não queremos jamais nos separar.
   Mas o tempo passa. Os dias voam. A mãe se torna mais terna, mais presente, mais necessária. Assume outras formas. Desempenha outros papéis. Mas jamais deixa nossa lembrança quieta.
   Seu tom de voz aciona nossa memória, nos faz sentir de novo tudo que num passado recente, ou não, vivemos com intensidade, sob sua proteção.
   Mas encontrei uma boa definição para mãe. Ah! se encontrei! "Mãe é aquela sublime criatura que, …

QUANDO A VIDA PERDE A GRAÇA...

Viver é sofrer? Talvez. Aquela velha frase, “a esperança é a última que morre”, soa  como utopia. A vida perdeu a graça. Muitos deixaram de viver e não sabem. Como aquele conhecido filme de Robert  Zemecks : “A morte lhe cai bem”. Nestes casos a morte se apresenta como saída honrosa.  Já se sentiu assim? Com vontade de sumir ? “Destruídos os fundamentos, que poderá fazer o justo” (Salmo 11:3). Exatamente!Sem fundamentos, a vida é uma bobagem. O “justo”, na linguagem dos salmos, é aquele que deseja viver com qualidade, sem desrespeitar os direitos do próximo. Quando este “justo” percebe que fundamentos  como: ética, moral e bons costumes, estão abalados (ou enfraquecidos pelo tempo), conclui que não adianta ser honesto, sincero e cumpridor de seus deveres. Surge então a tentação de ser desonesto, enganador e egoísta. Se ceder às tentações, a justiça que praticou  “vai para o  ralo”, e nestas horas, os fundamentos de seu caráter podem ruir. Ouvi alguém dizer: “os que não amadurecem, apod…

Aprenda a lidar com as ofensas.

Receber uma ofensa não é o fim do mundo (estamos em 2015!). Já fui ofendido o bastante para estar sepultado pela avalanche de lama e detritos que me lançaram. Mas sobrevivi. Com o tempo percebi que viver é sofrer impactos. Precisamos entender que, em nossa imperfeição, ocasionalmente,  atrairemos a ira das pessoas. Desista de tentar agradar todo mundo. Ninguém até hoje passou incólume diante de críticas ácidas, calúnias e difamações.
     Em segundo lugar, é importante entender que a filosofia das ofensas é neutralizar nossa simplicidade e pureza. Estar sob ofensa é estar sendo chamado pra briga, não com o propósito da contenda em si, mas de macular nosso caráter. Integro é aquele que desenvolve o equilíbrio necessário para não ceder a provocação e continuar sendo quem sempre foi.
     Por último, lembre-se que revidar uma ofensa pode até fazer bem ao ego (momentaneamente) mas irá provocar um ciclo de réplica e tréplica, drenando nossas energias e promovendo uma imagem distorcida de que…