sábado, 10 de novembro de 2012

Por que é tão difícil assumir meus erros?

     Nasci assim. Sem o menor interesse de assumir meus erros. Tenho a impressão que possuo um "chip" muito bem instalado que me socorre com desculpas mirabolantes (e cada vez mais sutis) para me livrar das consequências das burradas que faço. Sou "liso" quando tentam me "enquadrar". Você se identifica comigo? Creio que sim.
     A natureza humana é má, em sua essência. Temos lampejos de bondade, de justiça, de verdade. O resto é "senvergonhice" mesmo, da pura, da boa.
     Mas isso não nos torna felizes, realizados, satisfeitos, de bem com a vida. Pelo contrário. Temos um outro "chip" bem instalado chamado "consciência". Reflete Deus em nós. Seria  o "imago dei" em cada pessoinha da Terra? Muitas vezes o atacamos, tentamos retirá-lo à força. Alguns mais espertos tentam "rackea-lo". Em vão. Continua funcionando e incomoda à beça quando insistimos em fazer o que não convém.
     Que me desculpem os darwinistas e os que acreditam que o ser humano está em franca evolução, se que ainda exista alguém que pense assim depois de 11 de setembro de 2001, mas tenho motivos para pensar ao contrário.
     Desde que Adão jogou a culpa de seu erro em Eva e essa na serpente, o ser humano tornou-se um "cara de pau" de marca maior. Mentimos, acreditamos em nossas mentiras e fazemos outros mentirosos com as mentiras que colocamos na boca deles e ainda tentamos nos safar dizendo: "- Não sou santo. Santo foi um só  e...blá...blá...blá..."
     É difícil assumir meus erros porque sou vaidoso demais, orgulhoso demais, e me acho acima dos outros porque acabei  acreditando no engodo de que "ser esperto é mais importante  do que ser sábio".
     É mais fácil, nestes casos, acreditar que sou um "símio de última geração" do que um ser criado a imagem de um Deus Perfeito.  
     Sou um agente moral, responsável pelos meus atos.
     Assumir meus erros só será fácil para mim, quando entender que sou pecador, mas que isso não é minha sina. É  uma condição plenamente reversível por meio do sacrifício vicário de Cristo, que uma vez aceito pela fé, me envia o Espírito Santo à minha consciência, otimizando-a e me tornando livre para acertar. Se errar, posso corrigir com humildade, e prosseguir no caminho da santidade.
     Sou tão guloso, que não há neste mundo nada que me satisfaça. Só o Céu pode satisfazer minha carência de amor, realização pessoal/social e de paz. E o Céu é para os que assumem seus erros na Terra. 
     Seja adulto, assuma o que fez, concerte, e o Céu será seu.

sergiomarcos59@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como viver em paz em um mundo em convulsão?

Silvio Brito na década de 70 cantava uma canção que se tornou hit rapidamente. Cada estrofe começava com “ – pare o mundo que eu quero...