quarta-feira, 20 de julho de 2011

Um site para promover a infidelidade? E precisa?

Muitos ficaram pasmos ao saberem da novidade. Eu não. Afinal, que mais falta nesta sociedade pós-moderna?  A traição é tão antiga quanto andar para frente e não é por que existe um site especializado em ajudar pessoas a traírem que haverá mais traição daqui para frente. Quem é fiel e tem vergonha na cara, vai ignorar. Quem já tem antecedentes (ou tendências) a infidelidade, vai apenas se divertir um pouco mais.
O casamento está em crise à muito tempo, mas a crise conjugal tem ganhado força ultimamente por alguns motivos.
Primeiramente, o abalo das instituições. Num sentido geral, tudo que é  institucional, está sob suspeita. Vivemos no “reino do informal” desde aqueles chatos vendedores de livros que diziam: “ – é sem compromisso”. Lembra? Pois é, a ideia evoluiu para os “test-drive” e atingiu em cheio a família como um todo. Já não se casa mais.  Os que se casam, de papel passado e tudo mais, (coitados) estão apenas querendo “agradar a família” ou viver seus 15 minutos de fama, nada mais.
Em segundo lugar, a banalização do sexo. O que era algo misterioso, cheio de segredos a serem desvendados aos poucos está hoje escrachado, arregaçado, virado do avesso, explorado ao extremo, sem limitações. O principal produto no mercado é o sexo,  nos mais diversos tipos de embrulhos, para todo tipo de freguês que, quanto mais consome, mais deseja consumir. Poucos se apercebem que esta “liberação” tem um alto preço: a proliferação incontrolável da aids, um número monstruoso de abortos, pedofilia descontrolada e o aumento exorbitante de gente depressiva, vazia e destruída emocionalmente.
Além disso, tem a troca da espiritualidade pela religiosidade. Poucos conseguem definir a diferença, mas ser religioso não significa ser espiritual. O mundo de hoje, contrariando as sombrias profecias dos anos 1980, é bem mais religioso que antigamente. A religiosidade ganhou força nos anos 1990 e explodiu em crescimento no terceiro milênio. Mas a espiritualidade...ah... essa ainda anda em baixa. Por que? Ser espiritual é dar lugar a realidade íntima do espírito. É cultivar valores interiores, de caráter, moral, de  contemplação,  meditação,  relacionamentos maduros, profundos e sinceros. Demanda tempo com Deus e com o próximo. Na espiritualidade não há lugar para o egoísmo, o sexualismo, o materialismo, tão populares nos dias de hoje.
Resumindo: um site para promover a infidelidade, no contexto em que vivemos, não fede nem cheira. É mais um play-groud para desocupados, um espaço para gente imatura, infeliz e que curte “ferrar o outro” ao invés de ser coerente consigo, com o outro e com Deus. Errar é humano, está incrustado na natureza decaída. Dispensa qualquer incentivo. 
Um site para promover infidelidade? E precisa?

Um comentário:

  1. NESSE MUNDÃO DE HOJE O QUE SERÁ QUE FALTA ACONTECER AINDA PRÁ O SER HUMANO ACORDAR DE VEZ? SÓ O CÉUS ABRINDO MESMO!

    ResponderExcluir

Todas as religiões são iguais?

Você deve ter ouvido algo parecido. Devido a crescente onda de atentados em nível global, a intolerância religiosa tem aumentado e muito...