segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Tudo que é novo, é melhor?

Vivemos uma revolução tecnológica impressionante! Novidades surgem a cada dia mudando hábitos alimentares, formas de comunicação, cuidados com a saúde, etc. A sensação é que o tempo está passando mais rápido do que podemos acompanhar. A sociedade costuma rotular o que é tradicional como "ultrapassado" e o moderno como "pertinente" e "melhor". Falar palavrão é moderno; mulher bebendo publicamente é moderno; viver junto sem casar, é moderno; assumir a homossexualidade, então, mais moderno ainda. Surge então uma ditadura: o que é tradicional, não presta, está descartado, bem como quem pensa e vive "tradicionalmente". O termo já tem uma conotação pejorativa, mas está cada dia mais desgastado, bem como todo o que mantém seus valores e princípios "tradicionais". 
Mas a secadoras de roupa não aposentaram os prendedores de varal. As calculadoras não aposentaram o lápis e a borracha. Dizem que o clips jamais deixará de existir e que os tablets não aposentarão os livros. Mas no campo da moral e dos costumes, ser tradicional é ser tolo, antiquado e ultrapassado.
O cristianismo está em cheque. Ligado a tradição e tendo como regra de fé e prática a Bíblia, está sendo questionado como algo que precisa ser banido. Uma mancha que precisa ser alvejada pois impede a "evolução" social e o despertar de uma nova consciência humanística global. Se me considero cristão, preciso   definir: ou assumo minha alienação e uma vida que não faz o menor sentido em pleno seculo XXI, ou estou  vivendo certo num mundo errado.
Diz o sábio: " não há nada de novo debaixo do sol" (Salomão - Ec. 1:9,10), ou seja, a essência das coisas não muda, apenas as formas. Desde que o mundo é mundo a há seres humanos no planeta, existem guerras, vingança, amor e ódio, vida e morte, alegria e tristeza, amizade e traição, e sempre haverá.
Diz o sábio Paulo, que "em Cristo estão escondidos todos os mistério de sofia e gnosis" (Carta aos Colossenses 2:1 à 3). Ou seja, toda sabedoria e qualquer conhecimento obtido no campo da física, química, matemática, astronomia, direito, administralção, medicina, biologia etc. derivam da vida e obra de Cristo. Infelizmente, os cristãos atuais são culpados de reduzirem Jesus de Nazaré a um mero  fundador de uma religião populista, perito em curar cegos e aleijados, mas sem nenhuma conexão com o desenvolvimento do  pensamento. Ainda bem que temos pensadores cristãos como Dallas Willard e Peter Kreeft que consideram Jesus como o maior filósofo que já existiu. A maneira como Jesus fez uso da lógica, tal qual é narrada nos evangelhos, é fenomenal! Cristo é a fonte de todo e qualquer avanço do conhecimento humano.
Mais ainda! Se a humanidade pode ser resumida a um ciclo infindável de nascimento, crescimento, maturidade e morte, a única novidade que existe, em toda a história, é a ressurreição de Cristo, bem como a vida ressurreta (transformada) de cada um de seus seguidores. Nos dizeres neotestamentários: " assim como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos para a glória do Pai, assim também andemos nós (os cristãos) em novidade de vida" (Rm 6:4).
Pois é. O tradicional é moderno. O que é moderno, pode ser apenas casca, aparência, pois na essência, a história é cíclica, repetitiva.
sergiomarcos59@hotmail.com 





Um comentário:

  1. Mas não podemos esquecer que, o tablet de hoje foi a Bíblia impressa do passado.

    ResponderExcluir

Onde encontrar paz num mundo em convulsão?

     Silvio Brito na década de 70  cantava uma canção que se tornou hit rapidamente. Cada estrofe começava com  “ – pare o mundo que eu ...