sexta-feira, 18 de maio de 2012

Vocação Política.


Ao candidatar-se a um cargo público, o cidadão deveria questionar-se sobre sua vocação política.  Muitos não tem a menor noção do que seja a vida pública. Foram içados aos cargos  por carisma, simpatia e participação na sociedade, no entanto desconhecem por completo o que se espera de um político nesta fase em que se encontra o nosso país.

Meu Brasil brasileiro.
O Brasil passa por uma estabilidade econômica, mas essa prosperidade deveria atingir todos os seguimentos da sociedade, o que lamentavelmente não acontece. Motivo? Corrupção.
            Precisamos de políticos vocacionados, o que não significa gente com gosto pela política. Posso gostar de cantar e ser um péssimo cantor. Da mesma forma é preciso, primeiro, saber se tenho vocação para a vida pública, se estou preparado para a fase que o país atravessa.

            O que é vocação?
            É um dom natural. Algo que faz com que a pessoa não se veja em nenhum outro lugar senão naquele pela qual acredita haver nascido. É um “chamado”? Penso que é. Acompanhando essa estranha “sensação”, vem uma certa habilidade inata, uma facilidade em ver, entender e fazer as coisas. Isso é vocação. As pessoas percebem que fazemos com interesse genuíno, admiram nossa forma de fazer as coisas e acabam sendo influenciadas a nos acompanhar em cada empreitada. É talento. É dom.

            Mais que talento.
            Vocação política requer exige mais que talento. Requer caráter, integridade e espírito de sacrifício. Não basta ser honesto. Precisa ter ódio pela corrupção. Sem isso, vai ser engolfado pela correnteza de safadeza e desonestidade e se tornará mais um bandido de colarinho branco. O verdadeiro político representa o povo: suas necessidades, sonhos e anseios. Ser eleito com o voto público e se valer dos impostos pagos pelo público que o elegeu é ser calhorda,  um marginal mentiroso e mesquinho.

            Nossas cidades.
       Nossas cidades precisam de políticos que tenham vocação, desprendidos de interesses egoístas, que se dedicados a promover a cidade, em todos os sentidos. Um executivo que sejam amparado pelo legislativo e vice versa. Há quem pense ser isso uma utopia, mas acredito que pode haver harmonia entre os poderes. Pode haver boa vontade. Pode haver corporativismo. Tudo depende de uma coisa só: vocação política. O  vocacionado vai além dos interesses do partido, é personalista e busca, acima de tudo, o bem da “polis”, levando a risca a máxima que diz: do povo, pelo povo e para o povo.

sergiomarcos59@hotmail.com 

                                                                                                       

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como se "pacifica" um país?

O Excelentíssimo Senhor Michel Temer , Presidente do Brasil, em sua primeira aparição após a conquista histórica no TSE , disse estar se...