sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Aprenda a viver em paz.

     Paz não é um sentimento "zen". É um aprendizado. Não está relacionada ao temperamento ou personalidade,  mas ao caráter. É fato que, uma vez gerado um conflito, a conciliação é uma necessidade. Mas quando ela não ocorre, a prática da paz pode ser unilateral. Afinal, "quando um não quer, dois não brigam".
     Paz na família é possível, desde que os relacionamentos sejam prioridade. Infelizmente quando mais tecnologia temos em casa, mas afastados e isolados estamos. A imagem da "nona" colocando os quitutes sobre a mesa rodeada de parentes famintos ficou pra história. Hoje, com o microondas e os produtos congelados, cada um "se vira" e em horários diferentes. As conversas ao redor da mesa, ou na sala de estar, são raridade. Os smartfones e tablets mantém todos conectados e ao mesmo tempo silenciados num mesmo endereço.
     Paz nos círculos de relacionamento é possível, desde que respeitemos os limites impostos por cada um. Respeito é  uma atitude em falta hoje em dia. Consideração à idade, experiência e até conhecimento adquirido é necessário para se viver em paz. Creio que  nos relacionamentos interpessoais, o que mais deveríamos cultivar é a admiração. Quando um ambiente de conflito começar a se delinear, bom é que cada um saiba quem é e fique no "seu quadrado", ouvindo mais e falando menos, a fim de pautar a conversação nos alicerces da bondade e longanimidade.
     A paz social depende do entendimento de que somos diferentes, e admitir essas diferenças é fundamental. Muitas vezes vemos nas diferenças, ameaças. Diferenças de raça, religião, posição social ou nível de escolaridade não devem constituir barreiras para o desenvolvimento de uma boa amizade. Se nas diferenças pudermos "permutar" idéias e ideais, prevaleceremos contra a violência e promoveremos uma paz verdadeira.
     Finalmente, não poderia deixar de falar sobre o Príncipe da Paz: JESUS. O judeu que veio trazer um tipo de paz até então desconhecida: a paz com Deus (Romanos 5:1). Ser um pacificador, em primeiro lugar, é estar em aliança com Deus, por meio de Cristo (S.João 14:6), por meio de arrependimento de pecados e fé. Assim sendo, a paz fluirá com um rio e abençoará lares, gerações inteiras e muitas  nações.
     Mais do que um sentimento de tranquilidade e harmonia, paz  é algo que deve ser aprendido. Pratique a paz!

Um comentário:

  1. Gostei do artigo.Voltei para partilhar o novo programa da Aline, da Cidade das Pirâmides,ela fala neste programa sobre nós sermos um Universo e a relação com o planeta Terra. http://youtu.be/-SQ-HK4O4v8
    Compartilhem com seus contatos, abraços.

    ResponderExcluir

Como viver em paz em um mundo em convulsão?

Silvio Brito na década de 70 cantava uma canção que se tornou hit rapidamente. Cada estrofe começava com “ – pare o mundo que eu quero...